terça-feira, 14 de junho de 2011

Avanço da Segunda Guerra

por : Lívia gentil

 Um dos pretextos para a expansão alemã foi a presença de um grande número de alemães vivendo nos países do Leste europeu e que desejavam a união com a Alemanha, conhecida como Anschluss.

Já em 1934, nazistas austríacos haviam marchado sobre Viena, na tentativa de promover o Anschluss. O golpe fracassou, mas, desde então, o governo austríaco ficou infiltrado de elementos do III Reich.
Finalmente, em 2 de março de 1936, os exércitos de Hitler marcharam sobre Viena, consumando a ocupação da Áustria, sem que houvesse qualquer resistência.

Também na Tchecoslováquia havia uma área, conhecida como Sudetos, habitada por alemães, sobre a qual Hitler reclamava direitos de ocupação. Mas, ao contrário do que ocorrera na Áustria, o governo tcheco mantinha-se firme contra as pretensões do Füher.

Inglaterra e França temiam que o incidente levasse a uma nova guerra, para a qual não estavam preparadas e, por isso, iniciaram uma ação diplomática, tentando convencer o governo tcheco a aceitar as imposições de Hitler.

Diante da firmeza do governo Tcheco, a França, a Alemanha, a Inglaterra e a Itália promoveram a Conferência de Munique, na qual consentiram em que a Alemanha ocupasse os Sudetos. Resultado: Hitler invadiu a Tchecoslováquia em março do ano seguinte, apossando-se, além dos Sudetos, de grande parte do território tchecoslovaco.

A investida seguinte de Hitler foi contra a Polônia, para ocupar a faixa de território conhecida como “corredor polonês”, que dividia a Alemanha em duas partes.

Dessa vez, porém, o governo inglês, pressionado pela opinião pública e por setores do Parlamento, comprometeu-se a garantir a independência da Polônia. Tornava-se cada vez mais evidente a proximidade de uma nova guerra.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário